PASTORAIS
BATISMO

fotos/batizado.jpg


CRIANÇAS
No PRIMEIRO DOMINGO do mês, às 09h. Fazer inscrição até o último dia útil anterior a celebração.

Encontro com os pais e padrinhos no QUARTO SÁBADO do mês, às 19h.
Fazer inscrição até o último dia útil anterior ao Encontro.

MAIORES DE 16 ANOS
Para a Preparação entrar em contato com a Secretaria Paroquial.

Responsável pela Pastoral: Newton Sales.


SIGNIFICADO DO SACRAMENTO

Batismo

"Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírio Santo" (Mt. 28,19)



O Batismo é o Sacramento pelo qual renascemos para a graça de Deus e nos tornamos cristãos. O Sacramento do Batismo confere a primeira graça santificante, que apaga o pecado original e também qualquer pecado atual, se existir; perdoa toda a pena por eles devida; imprime o caráter de cristão; faz-nos filhos de Deus, membros da Igreja e herdeiros do paraíso e torna-nos capazes de receber os outros Sacramentos. Batiza-se derramando água sobre a cabeça do batizando ou não podendo ser sobre a cabeça, sobre qualquer outra parte principal do corpo, dizendo ao mesmo tempo: eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.



A escolha dos padrinhos


Requisitos

Para o batizando receber o Sacramento do Batismo os pais e padrinhos precisam fazer o Encontro de Batismo na paróquia a qual os pais pertencem. É preciso ser casado e de preferência os padrinhos também. Casos específicos devem ser encaminhados ao Pároco.


CATEQUESE - CRISMA

fotos/crisma.jpg

PREPARAÇÃO
CRIANÇAS
Para as crianças que fizeram a 1ª Eucaristia - período de matrículas: janeiro e fevereiro. Após período, informe-se, na Secretaria Paroquial.

MAIORES DE 16 ANOS
Período de matrículas: janeiro e fevereiro. Após período, informe-se, na Secretaria Paroquial. Telefone: 36811456.

OBJETIVO, FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO

Tem a grande responsabilidade de evangelizar adolescentes e jovens preparando-os para receber o sacramento do Crisma.

A palavra Crisma tem sua origem do grego "chrisma" que indica o óleo que unge. A unção é o gesto ritual pelo qual é realizado o sacramento que dá o Espírito Santo. No Batismo, recebemos o Espírito Santo como vida divina que Deus comunica a fim de libertar-nos e introduzir-nos em sua comunhão. No Crisma o Espírito Santo nos enriquece com a plenitude de seus dons. O Espírito Santo foi dado como força aos apóstolos a fim de que estes fossem fortes com a força do próprio Deus e, assim, tivesse a capacidade e a coragem de anunciar o Evangelho plenamente.

Encontros às quintas-feiras, das 19h30 às 21h.

Reponsável: Sra. Dirce Leite Ribeiro.

SIGNIFICADO DO SACRAMENTO

Confirmação ou Crisma

"Então os dois apóstolos lhe impuseram as mãos e receberam o Espírito Santo." (At 8,17)


Juntamente com o Batismo e a Eucaristia, o sacramento da Confirmação constitui o conjunto dos "sacramentos da iniciação cristã", cuja unidade deve ser salvaguardada. A recepção deste sacramento é necessária à consumação da graça batismal. Pelo sacramento da Confirmação somos vinculados mais perfeitamente à Igreja, enriquecidos de força especial do Espírito Santo, e assim mais estritamente obrigados à fé que, como verdadeiras testemunhas de Cristo, devem difundir e defender tanto por palavras como por obras.

Durante a primeira vinda de Cristo sobre a Terra, Ele prometeu aos seus apóstolos o Paráclito (advogado, defensor). Jesus também promete o Espírito Santo para nós, e nos é concedido através do Sacramento da Confirmação.

O Crisma também é chamado Sacramento da Confirmação, pois através dele confirmamos o nosso Batismo que recebemos na maioria das vezes quando criança. Confirmar o Batismo é muito importante, pois quando criança não temos a consciência do Sacramento, mais sim os nossos parentes mais próximos que resolveram levá-lo até a pia batismal. Já na Crisma, não são os seus parentes que escolhem se queres ou não receber o Crisma, mas sim você mesmo.

No sacramento da Crisma recebemos os dons do Espírito Santo: Sabedoria, Entendimento, Conselho, Fortaleza, Piedade, Ciência e Temor de Deus. Eles são dons que nos aproximam de nossa vocação: a Santidade. Quando recebemos o Espírito Santo e nos abrimos inteiramente à graça sacramental não agimos em nós, mas sim o próprio Deus nos usa de instrumento e agi em nós. Por isso podemos considerar o crismando uma pessoa com grandes responsabilidades. Veja: No Batismo recebemos o Espírito Santo e nos transformamos de criaturas de Deus para Filhos de Deus. Já na Crisma dizemos com consciência: Quero ser Filho de Deus e assumir a minha missão de evangelizar.

O mesmo Deus que os apóstolos receberam no dia de Pentecostes é o mesmo que recebemos no Sacramento da Crisma, por isso a mesma autoridade que eles tinham ao anunciar a Palavra de Deus é a mesma que possuímos. O dia em que nos crismamos é sem dúvida o dia de nosso Pentecostes. Onde o Espírito Santo nos é enviado para transformar e santificar.

As transformações do Espírito Santo são nitidamente vistas na Bíblia. Observe: Vamos dar o exemplo do apóstolo Pedro. Antes do dia de Pentecostes era um pescador de pouca instrução, medroso, incrédulo e infiel. Quando se passou o dia de Pentecostes, melhor dizendo, logo ao sair do cenáculo onde o Espírito Santo desceu sobre os apóstolos e Maria, ele realizou um discurso que prova o poder do Espírito Santo (At 2,14-41). Podemos até duvidar se realmente era o mesmo Pedro pescador e incrédulo.

Foi a partir daí que a Igreja se firmou, ou seja, foi através do Papa São Pedro que a Igreja de Jesus Cristo surgiu. Vejamos: se somos também Igreja, é através do Sacramento da Crisma que firmamos em nós o "tijolo" eclesial que somos.
PRIMEIRA TURMA...
OUTUBRO DE 1991 - ... a receber o Sacramento do Crisma: Fábio Eduardo Benteu, Karina da Silva, Alessandra Simone Azuma, Giovana Cristina Angelelli, Gustavo de Oliveira, Marcelo Pombo da Silva, Ernani César Reis, Veralice de Oliveira, Alessandra de Paula, Renata M. Pereira, Maria Rosimeire Batista, Renata Gouvêa Priamo, Mateus Bocco, Anderson de Oliveira, Carolina M. de Carvalho, Fernanda Toledo, Ângelo G. Priamo, Fernanda Benteu, José Carlos Gomes, Eliane Andrade, Karina Paula Gardeline, Daniela Flinger Lima, Michelle Miyabe, Roberto Torrubia da Silva, Felipe de Castro, Maria Tereza dos Santos, Ralf Fogaça dos Santos, Claudia da Silva, Fabio A. Massucato, Estela Campos dos Santos, Wendel Alonso Massucato e Luciano José Rozendo dos Santos.


CATEQUESE - PRIMEIRA COMUNHÃO

fotos/primeiracomunhao.jpg

PREPARAÇÃO


FAIXA ETÁRIA DE 9 a 12 ANOS INCOMPLETOS
Período de matrículas: janeiro e fevereiro.

FAIXA ETÁRIA DE 12 a 16 ANOS INCOMPLETOS
Paríodo de matrículas: janeiro e fevereiro.

MAIORES DE 16 ANOS
Paríodo de matrículas: janeiro e fevereiro.

Após o período informe-se na Secretaria Paroquial: segunda das 14h às 17h e de terça a sexta-feira, das 9 ás 11h30 e das 14 às 17h30. Telefone: 36811456.

Os encontros são realizados às terças e quartas-feiras das 19h às 20h30.

A responsável pela Pastoral é a Sra. Iza Helena Fogliene. Telefone para contato: 36327505.

SIGNIFICADO DO SACRAMENTO
Eucaristia

"Então, Jesus lhes disse: Em verdade, em verdade, vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós mesmo." (Jo 6,53)

A santa Eucaristia conclui a iniciação cristã. Os que foram elevados à dignidade do sacerdócio régio pelo Batismo e configurados mais profundamente a Cristo pela Confirmação, estes, por meio da Eucaristia, participam com toda a comunidade do próprio sacrifício do Senhor. Na última ceia, na noite em que foi entregue, nosso Salvador institui o Sacrifício Eucarístico de seu Corpo e Sangue. Por ele, perpetua pelos séculos, até que volte, o sacrifício da cruz, confiando destarte à Igreja, sua dileta esposa, o memorial de sua morte e ressurreição: sacramento da piedade, sinal da unidade, vínculo da caridade, banquete pascal em que Cristo é recebido como alimento, o espírito é cumulado de graça e nos é dado o penhor da glória futura.

Muitos pensam que os Sacramentos são obras eclesiásticas, ou seja, criadas pela Igreja, mas isso não é verdade, todos os Sacramentos são sinais da graça de Deus que são expressos sem sombra de dúvidas na Palavra de Deus. Por exemplo: a presença de Jesus no Pão e no Vinho, é bem explicada nas Escrituras que relatam a última refeição de Cristo com os Apóstolos: A Santa Ceia.

Veja abaixo algumas palavras que Jesus disse aos seus apóstolos:

"Durante a refeição, Jesus tomou o pão e, depois de o benzer, partiu-o e deu-lhe, dizendo: Tomai, isto é o meu corpo. Em seguida, tomou o cálice em suas mãos, deu graças e o apresentou, e todos deles beberam. E disse-lhes: Isto é o meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança que será derramado por vós e por todos. Em verdade eu vos digo: já não bebereis do fruto da videira, até aquele dia em que o beberei de novo no Reino de Deus". (Mc 14,22-25)
Através das palavras de Cristo, podemos perceber a firmeza de suas palavras. Ele não disse que o Pão simbolizava a sua carne, mas é verdadeiramente a sua carne. Não disse também que o vinho representava o seu sangue, mas é verdadeiramente o seu sangue. Jesus disse também:
"Eu sou o pão da vida: aquele que vem a mim não terá fome, e aquele que crê em mim jamais terá sede" . (Jo 6,35).

Quem recebe o Cristo, com a convicção que realmente Jesus está presente na Hóstia Consagrada, tem a bênção de estar sempre saciado de graças vindas Dele. Quando comungamos, nos transformamos em verdadeiros Sacrários, por isso é importante deixar bem limpo o lugar em que Jesus vai habitar. É através da Confissão que limpamos o nosso ser, recebendo a absolvição de nossos pecados. Podemos então concluir que a Eucaristia, que significa "Ação de Graças" é o alimento da alma. Através dele passamos a caminhar com mais força rumo à Salvação. O importante é comungar com a convicção que Jesus é o Sacramento da Eucaristia, que é um grande presente Dele à nós.


DIZIMO

fotos/dizimo.jpg

OBJETIVO, FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO

Pagar dízimo, segundo o costume. 5º Mandamento da Igreja. A Pastoral ajuda os fiéis a cumprirem este mandamento. Após a sua inscrição o dizimista recebe uma “carteirinha” na qual deverá colocar sua oferta e levá-la no ofertório nas missas. Através dos Agentes, as “carteirinhas” retornam aos dizimistas para que possam fazer suas ofertas mensalmente. Como agradecimento a Paróquia celebra missas em ação de graças pelos dizimistas aniversariantes no quarto final de semana de cada mês, onde são sorteados brindes.
Além dos brindes, os dizimistas e seus cônjuges recebem um cartão de aniversário, bem como, têm os seus nomes expostos em um "banner" fixado na Igreja.

A Pastoral tem objetivo principal de incentivo ao dízimo na comunidade.

Dirigente da Pastoral é o Sr. Hélio Maia.


AGENTES DA PASTORAL

Área - Agente
01 - JOÃO SILVESTRE DA SILVA
02 - MARIA IVONE MAZZOCHI
03 - MARIA LUZIA DA SILVA
04 - NELI DE PAULA BORGES
05 - TEREZINHA P.M. CLARO
06 - VICENTINA DOLHER DE MORAES
07 - PAULO HENRIQUE RAMOS
08 - MARIA APARECIDA REIS
09 - CLÁUDIA Mª COTTA FERRARO
10 - MARIA HELENICE GOES DIAS
11 - ROMIR DE CASTRO E SOUZA
12 - MARIA ESTELA MAIA OLIVEIRA
13 - MARIA DO CARMO SIMÕES
14 - HÉLIO MAIA
15 - APARECIDA NARESI P. ROSA
16 - NORMA PADOVANI GOMES
17 - OLIRIA DOS SANTOS
18 - LOURDES GONÇALVES FOGLIENI
19 - HÉLIO MAIA
21 LUIZ A. DE FREITAS CAPITELLI
Volta

Rua Polônia, 130 - Jardim das Nações - Taubaté - SP - Fone: (12) 3681-1456


FAMÍLIA

fotos/familia.jpg

OBJETIVO, FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO

Família, fonte de vida e construtora da paz!

A Pastoral Familiar é o esforço pastoral da Igreja visando não só defender e promover o respeito à dignidade da família, seus direitos e deveres, mas também chamar a atenção para a importância e centralidade da família como o principal recurso para a pessoa, para a sociedade e para a Igreja. Ela é o lugar onde mais se investe para o desenvolvimento de um país, já que a família é indispensável para o desenvolvimento das pessoas e da sociedade.

OBJETIVOS

Resumidamente, os objetivos da Pastoral Familiar consistem, inicialmente, na preparação dos candidatos para a vida matrimonial e familiar, (Curso de Noivos ) bem como na evangelização e promoção humana, social e espiritual das famílias já constituídas.

A Pastoral Familiar parte da família real para a família do possível, sem perder de vista a proposta da família ideal, que é a família cristã, gerada a partir do sacramento do matrimônio e vivendo em forte unidade, harmonia e na gratuita e generosa solidariedade.

SUA IMPORTÂNCIA

O documento de Santo Domingo falou da “prioridade e centralidade da pastoral familiar na Igreja diocesana” (n.º 222). O Papa João Paulo II assim falou aos Bispos do Brasil: “em cada diocese – vasta ou pequena, rica ou pobre, dotada ou não de clero – o Bispo estará agindo com sabedoria pastoral, estará fazendo investimento altamente compensador, estará construindo, a médio prazo, a sua Igreja particular, à medida que der o máximo a uma Pastoral Familiar efetiva”.

A organização da Pastoral Familiar, em nível diocesano ou paroquial, não é uma opção, é uma obrigação.

Fátima Cesar e Marco Antonio são os responsáveis pela Pastoral.

10 MANDAMENTOS PARA A PAZ NA FAMÍLIA
1 - Tenha fé e viva a Palavra de Deus, amando o próximo como a si mesmo.

2 - Ame-se, confie em si mesmo, em sua família e ajude a criar um ambiente de amor e paz ao seu redor.

3 - Reserve momentos para brincar e se divertir com sua família, pois a criança aprende brincando e a diversão aproxima as pessoas.

4 - Eduque seu filho através da conversa, do carinho e do apoio e tome cuidado: quem bate para ensinar está ensinando a bater.

5 - Participe com sua família da via da comunidade, evitando as más companhias e diversões que incentivam a violência.

6 - Procure resolver os problemas com calma e aprenda com as situações difíceis, buscando em tudo o seu lado positivo.

7 - Partilhe seus sentimentos com sinceridade, dizendo o que você pensa e ouvindo o que os outros têm para dizer.

8 - Respeite as pessoas que pensam diferente de você, pois as diferenças são uma verdadeira riqueza para cada um e para o grupo.

9 - Dê bons exemplos, pois a melhor palavra é o nosso jeito de ser.

10 - Peça desculpas quando ofender alguém e perdoe de coração quando se sentir ofendido, pois o perdão é o maior gesto de amor que podemos demonstrar.


IDOSOS - GRUPO CONVIVER 3ª. IDADE

fotos/conviver.jpg

ACONTECIMENTO
Dia 30 de setembro de 2013 às 16h aconteceu na Paróquia a missa em ação de graças por mais um ano do Projeto Conviver, na semana dedicada aos idosos.
A missa foi celebrada pelo Padre José Vicente, que foi o pioneiro dentro da Diocese de Taubaté a formar a Pastoral da pessoa idosa nesta Paróquia Sagrada Família.
A Pastoral da pessoa idosa conta com o serviço das voluntárias e alguns irmãos paroquianos, também conta com apoio da Prefeitura Municipal que se coloca a serviço voluntariamente.
A Pastoral da Pessoa Idosa e do Projeto Conviver tem como missão a promoção e a valorização da Pessoa Idosa, dando-lhe a oportunidade para melhorar sua qualidade de vida, respeitando seus direitos por um processo educativo integrado à sua família e à comunidade.

Após a missa tiveram a confraternização no salão paroquial com um lanche oferecido pela Prefeitura.


Marli do Amaral - coordenadora

OBJETIVO, FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO

Tem a função de manifestar através do nosso carinho, amor e atenção. O carinho de Deus para com essas pessoas que já lutaram muito na vida e nem sempre são reconhecidas. Os participantes pertencem a 3ª Idade. Esta Pastoral faz parte do PROJETO CONVIVER - Grupo Reino da Amizade - Jardim das Nações, da Prefeitura Municipal de Taubaté.

Encontro às quintas-feiras das 14h às 17h.

Responsável: Marli do Amaral.

DIREITOS DOS IDOSOS
Este é um quadro resumido dos Direitos do Idoso em nosso país:

NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS
DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
Artigo 5º: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;
II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;
III- ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante;
XLI - a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais;
LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal;

--------------------------------------------------------------------

NA POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO

LEI FEDERAL Nº 8.842/94
Parágrafo 1º: É assegurado ao idoso o direito de dispor de seus bens, proventos, pensões e benefícios, salvo nos casos de incapacidade judicialmente comprovada.

Parágrafo 2º: Nos casos de comprovada incapacidade do idoso para gerir seus bens, ser-lhe-á nomeado Curador especial em juízo.

Parágrafo 3º: Todo cidadão tem o dever de denunciar à autoridade competente qualquer forma de negligência ou desrespeito ao idoso. (Reeditado no Decreto 1.948/96, artigo 13 Parágrafo único)

--------------------------------------------------------------------

NO CÓDIGO PENAL

DECRETO-LEI Nº 2.848/40
DOS CRIMES CONTRA A PESSOA
SEQUESTRO E CÁRCERE PRIVADO

Artigo 148 - Privar alguém de sua liberdade, mediante seqüestro ou cárcere privado. Pena - reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. Parágrafo 1º: A pena é de reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos:I - se a vítima é ascendente, descendente ou cônjuge do agente;II - se o crime é praticado mediante internação da vítima em casa de saúde ou hospital;III - se a privação da liberdade dura mais de 15 (quinze) dias. Parágrafo 2º: Se resulta à vítima, em razão de maus-tratos ou da natureza da detenção, grave sofrimento físico ou moral:Pena - reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos.

DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO
ESTELIONATO

Artigo 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.
Pena - reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa.

Parágrafo 1º: Se o criminoso é primário, e é de pequeno valor o prejuízo, o juiz pode aplicar a pena conforme o disposto no art. 155, § 2º.

Parágrafo 2º: Nas mesmas penas incorre quem vende, permuta, dá em pagamento, em locação ou em garantia coisa alheia como própria;

(...)

Alienação ou oneração fraudulenta de coisa própria

II - vende, permuta, dá em pagamento ou em garantia coisa própria inalienável, gravada de ônus ou litigiosa, ou imóvel que prometeu vender a terceiro, mediante pagamento em prestações, silenciando sobre qualquer dessas circunstâncias;

ABUSO DE INCAPAZES

Artigo 173 - Abusar, em proveito próprio ou alheio, de necessidade, paixão ou inexperiência de menor, ou da alienação ou debilidade mental de outrem, induzindo qualquer deles à prática de ato suscetível de produzir efeito jurídico, em prejuízo próprio ou de terceiro.
Pena - reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa.
--------------------------------------------------------------------

NA LEI DAS CONTRAVENÇÕES PENAIS

DECRETO-LEI Nº 3.688/41
INTERNAÇÃO IRREGULAR EM ESTABELECIMENTO PSIQUIÁTRICO

Artigo 22 - Receber em estabelecimento psiquiátrico, e nele internar, sem as formalidades legais, pessoa apresentada como doente mental.
Pena - multa.

Parágrafo 1º: Aplica-se a mesma pena a quem deixa de comunicar à autoridade competente, no prazo legal, internação que tenha admitido, por motivo de urgência, sem as formalidades legais.

Parágrafo 2º: Incorre na pena de prisão simples, de 15 (quinze) dias a 3 (três) meses, ou multa, aquele que, sem observar as prescrições legais, deixa retirar-se ou despede de estabelecimento psiquiátrico pessoa nele internada.

INDEVIDA CUSTÓDIA DE DOENTE MENTAL

Artigo 23 - Receber e ter sob custódia doente mental, fora do caso previsto no artigo anterior, sem autorização de quem de direito:

Pena - prisão simples, de 15 (quinze) dias a 3 (três) meses, ou multa.
--------------------------------------------------------------------

NO CÓDIGO CIVIL

LEI FEDERAL Nº 10.406/2002
LIVRO IV - DO DIREITO DE FAMÍLIA
SUBTÍTULO III
DOS ALIMENTOS

Artigo 1.695 - São devidos os alimentos quando quem os pretende não tem bens suficientes, nem pode prover, pelo seu trabalho, à própria mantença, e aquele, de quem se reclamam, pode fornecê-los, sem desfalque do necessário ao seu sustento. (NOTA: artigo correspondente ao nº 399 do antigo Código Civil)

Artigo 1.696 - O direito à prestação de alimentos é recíproco entre pais e filhos, e extensivo a todos os ascendentes, recaindo a obrigação nos mais próximos em grau, uns em falta de outros. (NOTA: artigo correspondente ao nº 397 do antigo Código Civil)


JOVENS

OBJETIVO E FUNCIONAMENTO

Trabalha com jovens da Paróquia. Reúnem-se, todo domingo às 16 horas no Salão Paroquial.
Responsável: Fernando Bertini


LITURGIA - COROINHAS

gifs/485582_588845661137556_1012819762_n.gif


LITURGIA - COROINHAS
Coroinhas de nossa Paróquia

A partir de um trabalho feito na catequese com os catequizandos foi formado em nossa Paróquia um grupo de acólitos com idade entre 9 e 12 anos para atuarem nas missas. A preparação aconteceu no Salão Paroquial sob a coordenação do Jair e do Michel, e com o acompanhamento dos Missionários da Congregação Legionários de Cristo. No dia 07 de junho de 2007, festa de Corpus Christi, os coroinhas participaram da Procissão e no final da Missa foram apresentados à Comunidade Paroquial. A atuação dos coroinhas iniciou-se nos dias 16 e 17 de junho de 2007.

Na festa da Padroeira, Sagrada Família, dia 15/08/2009, a Paróquia recebeu mais cinco novos coroinhas. E em 22/08/2009, recebeu mais dois.

No ano de 2010 não houve novas adesões ao grupo de coroinhas pelo contrário ficou menor com a saída de varias meninas e meninos e de alguns colaboradores que por motivos diversos deixaram de atuar.
Encerrou o ano apenas com 3 coroinhas atuando.
No início de 2011 ainda com a coordenação do Jair, com o apoio de sua esposa Estela e com a preciosa colaboração do coroinha Rafael Foram feitos novos convites na catequese e nas missas das crianças. Iniciou-se a formação do novo grupo com aulas de preparação e formação e na festa da Ascenção do Senhor dia 05 de junho, foram apresentados à comunidade 7 novos coroinhas além de 3 que permaneceram no grupo perfazendo um total de dez coroinhas que estarão atuando nas missas das 10h30 e das 19h.
Os novos:
João Pedro Pereira Labinas
João Pedro Dutra Gomes
Misael Dutra Gomes
Natália Baptista Bartsch
Nikoly Sillos de Oliveira
Murilo Barros Ferreira
Ana Clara Andraus Barros

Os que continuaram:
Gabriel Gomes de Araújo Santos
Luís Felipe Morgado
Rafael Sadoc Ronconi
Em 2012 entraram para o grupo os coroinhas:
Anna Júlia, Caroline, Fábio, Kauã, Victória, Taís e Tiphanny , Thayna
Em 2013 com a coordenção do Rafael que passou a ser Cerimoniario assistido pelo Jair e por sua esposa Estela entraram para o grupo
Ana Flávia, Ana Paula, Angelo Gabriel, Emanuelle, João Gabriel, Lucas, Michaelle, Breno e Adrielli
No final de 2014 novos coroinhas foram formados sendo eles: Ana Clara, Isabelle, Rodrigo, João Pedro, Fernanda
Iniciou-se o ano de 2015 e no dia 24 de janeiro de 2015 o Rafael foi enviado em missa solene com a participação dos padres Arcemírio, Luís Antonio e Joaquim, com a presença dos Diáconos Eliseu e Vicente e ainda dos coroinhas Emanuelle, Michaelle, Ana Clara, Fábio, João Pedro e no dia 25 de janeiro de 2015 iniciou sua carreira no Seminário Diocesano Cura D´ars rumo ao sacerdócio.
A partir de 2015 o Jair e a Estela estarão na coordenação do grupo com os seguintes coroinhas
Rodrigo
Ana Clara
Ana Flávia
Ana Paula
Ângelo Gabriel
Anna Júlia
Breno
Caroline
Emanuelle
Fabio
Fernanda
Isabelle
João Gabriel
João Pedro L.
João Pedro R.
Kauã
Adrieli
Lucas
Michaelle

Os que saíram desde a primeira turma:

Gabriel Marcondes
Gabriela
Geovany
Laura
Giovana
Giseli
Daniel
Camila
João Gabriel
João Pedro
Joyce
Leticia Venâncio
Leticia Gomes
Lívia

Luís Gustavo
Maria Claudia
Mariana
Murilo
João Pedro Dutra Gomes
Misael Dutra Gomes
Natália Baptista Bartsch
Nikoly Sillos de Oliveira
Murilo Barros Ferreira
Ana Clara Andraus Barros
Gabriel Gomes de Araújo Santos
Luís Felipe Morgado
Vitória
Thais
Tiphanny
Natalia
Thayna
Rafael

Coordenador: José Jair dos Santos.

Informações na Secretaria Paroquial. Telefone 36811456


LITURGIA - EQUIPES DE CELEBRAÇÃO

fotos/liturgia.jpg

PAUTA DA REUNIÃO DE LITURGIA
JULHO 2018

Para celebrar bem a Liturgia é preciso ter uma profunda noção do que é o Cristianismo; o conhecimento da história da salvação, da obra de Cristo e da missão da Igreja. Sem isto a Liturgia não pode ser bem compreendida e amada, e pode se transformar em ritos vazios.
A celebração litúrgica precisa ser muito bem preparada: as leituras bem feitas, sem erros e falhas; a música bem ensaiada e adequada de acordo com o que se celebra.

Temos visto equipes bem preparadas, tanto na música como também leitores que preparam as leituras que serão proclamadas. Outras que nem sequer sabem o que se celebra, músicas que não batem com a liturgia, leitores chegando em cima da hora da celebração. É nítido nestas equipes que se quer leiam as orientações aqui passadas. Por isso tenho que ficar repetindo.

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO MÊS DE JULHO
Toda aclamação ao evangelho tem que conter o “Aleluia” (exceto no tempo da quaresma) e o texto é extraído do Lecionário, o que consta abaixo.

01 DE JULHO DE 2018 - SOLENIDADE DE SÃO PEDRO E S. PAULO

Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia, / Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia. (bis)
Tu és Pedro e sobre esta pedra Eu irei construir minha Igreja; e as portas do inferno não irão derrotá-la.

08 DE JULHO DE 2018 - 14º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Aleluia, Aleluia, Aleluia.
O Espírito do Senhor, / sobre mim fez a sua unção; / enviou-me aos empobrecidos / a fazer feliz proclamação.

15 DE JULHO DE 2018 - 15º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Aleluia, aleluia, aleluia!
Que o Pai do Senhor Jesus Cristo / nos dê do saber o Espírito; / conheçamos, assim a esperança / à qual nos chamou como herança.

22 DE JULHO DE 2018 - 16º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Aleluia, aleluia, aleluia! (bis)
Minhas ovelhas escutam minha voz, / minha voz estão elas a escutar. / Eu conheço, então, minhas ovelhas, / que me seguem comigo a caminhar!

29 DE JULHO DE 2018 - 17º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Aleluia, aleluia, aleluia! (bis)
Um grande profeta surgiu / surgiu e entre nós se mostrou / é Deus que seu povo visita, / seu povo, meu Deus visitou!

SALMISTAS: refrão do salmo (não repetir duas vezes ou mais vezes o refrão)

AOS LEITORES: deverão chegar no dia escalado, com 30 minutos de antecedência. Se houver algum imprevisto, deverá comunicar a coordenação e a equipe e providenciar outro para substituir e a equipe deverá ser comunicada de quem irá te substituir.
O leitor não pode fazer duas funções. Não se pode fazer a leitura e salmo o mesmo leitor ou qualquer outra função na mesma celebração.
Se por acaso ocorrer um imprevisto de ultima hora e de ter que chamar alguém, que procure chamar aqueles que participam das reuniões e das equipes de liturgia.

- Na liturgia da palavra a equipe se mantém de pé até o sacerdote se sentar
- Se houver canto meditativo, o primeiro leitor espera sentado na primeira parte do canto. Assim que o canto repetir o refrão o leitor levanta e se dirige ao ambão.
- Nas leituras não se diz: Primeira Leitura e segunda leitura. Mas, é obrigatório mencionar a leitura: Exemplo: Leitura do Livro do Deuteronômio, Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios...E quando houver palavras que temos dúvidas de como se pronuncia, pergunte ao sacerdote que ele orienta a forma correta.

Na oração dos fiéis: Assim que terminar o Creio, o leitor deve se dirigir ao ambão enquanto o padre faz a monição para a oração.

FAVOR PASSAR AS ORIENTAÇÕES A TODOS DA EQUIPE

No mês de julho nossa Diocese de Taubaté faz reflexões sobre o Dizimo.

Conter no data show a oração do dizimista: (caso o padre peça)

Senhor dá-me inteligência, para entender o que é o Dízimo. Coragem para vencer o egoísmo e doar alegremente meu dízimo. Compreensão para perceber o verdadeiro significado da prática da partilha. Sabedoria para não me apegar demais aos bens materiais. Discernimento para compreender o sentido da gratidão a Deus. Fé para acreditar que Deus ama a quem dá com alegria. Amém.

01 de Julho – Solenidade de São Pedro e São Paulo

Rezaremos o creio Niceno-Constantinopolitano (constar no data show)
Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso, / Criador do céu e da terra; de todas as coisas visíveis e invisíveis. / Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, / Filho Unigênito de Deus, / nascido do Pai antes de todos os séculos: / Deus de Deus, / luz da luz, / Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, / gerado, não criado, / consubstancial ao Pai. / Por Ele todas as coisas foram feitas. / E por nós, homens, e para nossa salvação, / desceu dos céus: /e se encarnou pelo Espírito Santo, / no seio da Virgem Maria, / e se fez homem. / Também por nós foi crucificado / sob Pôncio Pilatos; / padeceu e foi sepultado. / Ressuscitou ao terceiro dia, / conforme as Escrituras, / e subiu aos céus, / onde está sentado à direita do Pai. / E de novo há de vir, em sua glória, / para julgar os vivos e os mortos; / e o seu reino não terá fim. / Creio no Espírito Santo, / Senhor que dá a vida, / e procede do Pai e do Filho; / e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado: / ele que falou pelos profetas. / Creio na Igreja, /una, santa, católica e apostólica. / Professo um só batismo / para remissão dos pecados. / E espero a ressurreição dos mortos / e a vida do mundo que há de vir. Amém.

Boa celebração a todos

A TRADIÇÃO DOS APÓSTOLOS

Os dois apóstolos, Pedro e Paulo, têm enorme importância e significado para nós. Eles são como colunas da Igreja, edificada sobre o fundamento de Cristo, mas em contínua construção a partir do testemunho dos apóstolos. Esses dois grandes discípulos de Cristo derramaram seu sangue no martírio, em Roma, por Cristo e pelo Evangelho. Pedro, reconhecido como o primeiro bispo de Roma, foi destacado pelo próprio Jesus no grupo dos apóstolos. Embora impulsivo e inconstante, Pedro era animado por grande generosidade e um enorme amor pelo Mestre. Jesus lhe deu o “poder das chaves”, que representa a autoridade suprema sobre a Igreja. É autoridade dada para servir e amar a Igreja. Paulo, chamado de maneira surpreendente quando ainda era perseguidor dos cristãos e de Cristo, converteu-se inteiramente ao Mestre e para anunciar o Evangelho aos irmãos. Também Paulo amou a Cristo loucamente, reconhecendo que foi muito perdoado por Deus: “Ele me amou e por mim se entregou na cruz!” - escreveu ele. E procurou retribuir a esse amor mediante a sua dedicação ao Evangelho de Cristo: “agora o meu viver é Cristo”. Pedro tem a missão de manter a Igreja unida e fiel a Cristo, sem se desviar do caminho Evangelho. Paulo é o missionário que busca os irmãos “até os extremos da terra”. Em Pedro e Paulo, a Igreja reconhece sua dupla missão: viver a unidade da fé e do testemunho na caridade, levar o Evangelho ao mundo inteiro mediante a ação missionária. A missão de Pedro é desempenhada pessoalmente pelo Papa, sucessor de Pedro na sede de Roma; mas também é missão dos bispos, do clero e de todos os batizados. A missão de Paulo envolve a todos. Pelo Batismo, fomos feitos missionários de Cristo e testemunhas do Evangelho. E todos somos encarregados de zelar para que essa tradição apostólica não se perca, mas permaneçamos fiéis a Cristo e ao Evangelho transmitido a nós pelos apóstolos. Hoje, rezemos especialmente pelo Papa Francisco. Desde a era apostólica, é costume que a Igreja reze “por Pedro”, como fazemos sempre na Missa. E a coleta das missas de hoje, denominada “Óbulo de São Pedro” é “para o Papa”. Com este gesto concreto, ajudamos o Papa a desempenhar bem a sua missão e a socorrer a Igreja onde ela mais necessita.

Cardeal Odilo P. Scherer

01 DE JULHO DE 2018
SOLENIDADE DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO APÓSTOLOS
- Dia do Papa -

Pedro e Paulo. Movidos por um só e intenso amor por Cristo, ambos, de diferente formas, abraçaram a causa de Jesus, o Reino de Deus, e fizeram dela o sentido de suas vidas. Como colunas da Igreja, fundaram comunidades cristãs, unidas pelo Espírito Santo. Nós, hoje, alegres, cantamos a Deus nosso hino de louvor por tão grandes testemunhas, enquanto elevamos nossas preces pelo Papa Francisco, que hoje é o sucessor de Pedro e elo de unidade de toda a Igreja.

PRIMEIRA LEITURA (At 12,1-11)
Leitura dos Atos dos Apóstolos.
Naqueles dias, 1 o rei Herodes prendeu alguns membros da Igreja, para torturá-los. 2 Mandou matar à espada Tiago, irmão de João. 3 E, vendo que isso agradava aos judeus, mandou também prender a Pedro. Eram os dias dos pães ázimos. 4 Depois de prender Pedro, Herodes colocou-o na prisão, guardado por quatro grupos de soldados, com quatro soldados cada um. Herodes tinha a intenção de apresentá-lo ao povo, depois da festa da Páscoa. 5 Enquanto Pedro era mantido na prisão, a Igreja rezava continuamente a Deus por ele. 6 Herodes estava para apresentá-lo. Naquela mesma noite, Pedro dormia entre dois soldados, preso com duas correntes; e os guardas vigiavam a porta da prisão. 7 Eis que apareceu o anjo do Senhor e uma luz iluminou a cela. O anjo tocou o ombro de Pedro, acordou-o e disse: “Levanta-te depressa!” As correntes caíram-lhe das mãos. 8 O anjo continuou: “Coloca o cinto e calça tuas sandálias!” Pedro obedeceu e o anjo lhe disse: “Põe tua capa e vem comigo!” 9 Pedro acompanhou-o, e não sabia que era realidade o que estava acontecendo por meio do anjo, pois pensava que aquilo era uma visão. 10Depois de passarem pela primeira e segunda guarda, chegaram ao portão de ferro que dava para a cidade. O portão abriu-se sozinho. Eles saíram, caminharam por uma rua e logo depois o anjo o deixou. 11Então Pedro caiu em si e disse: “Agora sei, de fato, que o Senhor enviou o seu anjo para me libertar do poder de Herodes e de tudo o que o povo judeu esperava!” – Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL - 33/34
De todos os temores me livrou o Senhor Deus!

1. Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo, / seu louvor estará sempre em minha boca. / Minha alma se gloria no Senhor, / que ouçam os humildes e se alegrem!
2. Comigo engrandecei ao Senhor Deus, / exaltemos todos juntos o seu nome! / Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu, / e de todos os temores me livrou.
3. Contemplai a sua face e alegrai- -vos, / e vosso rosto não se cubra de vergonha! / Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido, / e o Senhor o libertou de toda angústia.
4. O anjo do Senhor vem acampar/ ao redor dos que o temem, e os salva. / Provai e vede quão suave é o Senhor!/ Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!

SEGUNDA LEITURA (2Tm 4,6-8.17-18)

Leitura da Segunda Carta de São Paulo a Timóteo.
Caríssimo: 6 Quanto a mim, eu já estou para ser derramado em sacrifício; aproxima-se o momento de minha partida. 7 Combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé. 8 Agora está reservada para mim a coroa da justiça, que o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que esperam com amor a sua manifestação gloriosa. 17Mas o Senhor esteve a meu lado e me deu forças, ele fez com que a mensagem fosse anunciada por mim integralmente, e ouvida por todas as nações; e eu fui libertado da boca do leão. 18O Senhor me libertará de todo mal e me salvará para o seu reino celeste. A ele a glória, pelos séculos dos séculos! Amém. – Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO
Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia, / Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia. (bis)
Tu és Pedro e sobre esta pedra Eu irei construir minha Igreja; e as portas do inferno não irão derrotá-la.

EVANGELHO (Mt 16,13-19)
Naquele tempo, 13Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” 14Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. 15Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” 16Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. 17Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. 19Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”. – Palavra da salvação.

08 DE JULHO DE 2018
14º DOMINGO DO TEMPO COMUM

PRIMEIRA LEITURA (Ez 2,2-5)
Leitura da Profecia de Ezequiel.
2 Naqueles dias, depois de me ter falado, entrou em mim um espírito que me pôs de pé. Então, eu ouvi aquele que me falava, 3 o qual me disse: “Filho do Homem, eu te envio aos israelitas, nação de rebeldes, que se afastaram de mim. Eles e seus pais se revoltaram contra mim até o dia de hoje. 4 A estes filhos de cabeça dura e coração de pedra, vou-te enviar, e tu lhes dirás: ‘Assim diz o Senhor Deus’. 5 Quer te escutem, quer não – pois são um bando de rebeldes – ficarão sabendo que houve entre eles um profeta”. – Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL - 122/123
Os nossos olhos / estão fitos no Senhor: / tende piedade, ó Senhor, / tende piedade!
1. Eu levanto meus olhos para vós, / que habitais nos altos céus, / como os olhos dos escravos estão fitos / nas mãos do seu Senhor.
2. Como os olhos das escravas estão fitos / nas mãos de sua senhora, / assim os nossos olhos, no Senhor, / até de nós ter piedade.
3. Tende piedade, ó Senhor, tende piedade; / já é demais esse desprezo! / Estamos fartos do escárnio dos ricaços / e do desprezo dos soberbos!

SEGUNDA LEITURA (2Cor 12,7-10)
Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios.
Irmãos: 7 Para que a extraordinária grandeza das revelações não me ensoberbecesse, foi espetado na minha carne um espinho, que é como um anjo de Satanás a esbofetear-me, a fim de que eu não me exalte demais. 8 A esse propósito, roguei três vezes ao Senhor que o afastasse de mim. 9 Mas ele disse-me: “Basta-te a minha graça. Pois é na fraqueza que a força se manifesta”. Por isso, de bom grado, eu me gloriarei das minhas fraquezas, para que a força de Cristo habite em mim. 10Eis porque eu me comprazo nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições e nas angústias sofridas por amor a Cristo. Pois, quando eu me sinto fraco, é então que sou forte. - Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO
Aleluia, Aleluia, Aleluia.
O Espírito do Senhor, / sobre mim fez a sua unção; / enviou-me aos empobrecidos / a fazer feliz proclamação.

EVANGELHO (Mc 6,1-6)
Naquele tempo, 1 Jesus foi a Nazaré, sua terra, e seus discípulos o acompanharam. 2 Quando chegou o sábado, começou a ensinar na sinagoga. Muitos que o escutavam ficavam admirados e diziam: “De onde recebeu ele tudo isto? Como conseguiu tanta sabedoria? E esses grandes milagres que são realizados por suas mãos? 3 Este homem não é o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? Suas irmãs não moram aqui conosco?” E ficaram escandalizados por causa dele. 4 Jesus lhes dizia: “Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares”. 5 E ali não pôde fazer milagre algum. Apenas curou alguns doentes, impondo-lhes as mãos. 6 E admirou-se com a falta de fé deles. Jesus percorria os povoados das redondezas, ensinando. – Palavra da salvação.

15 DE JULHO DE 2018
15º DOMINGO DO TEMPO COMUM
A palavra de Deus deste Domingo fala do chamado e do envio em missão. Além dos doze apóstolos, Jesus tinha muitos outros discí- pulos. Ele os chama e envia em missão para os lugares onde Ele estava para chegar. Os discípulos foram e anunciaram a todos que se convertessem ao reino de Deus.

PRIMEIRA LEITURA (Am 7,12-15)
Leitura da Profecia de Amós.
Naqueles dias, 12disse Amasias, sacerdote de Betel, a Amós: “Vidente, sai e procura refúgio em Judá, onde possas ganhar teu pão e exercer a profecia; 13mas em Betel não deverás insistir em profetizar, porque aí fica o santuário do rei e a corte do reino”. 14Respondeu Amós a Amasias, dizendo: “Não sou profeta nem sou filho de profeta; sou pastor de gado e cultivo sicômoros. 15O Senhor chamou-me, quando eu tangia o rebanho, e o Senhor me disse: Vai profetizar para Israel, meu povo”. – Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL 84/85
Mostrai-nos, / ó Senhor, vossa bondade / e a vossa salvação nos concedei!
1. Quero ouvir o que o Senhor irá falar: / é a paz que ele vai anunciar. / Está perto a salvação dos que o temem / e a glória habitará em nossa terra.
2. A verdade e o amor se encontrarão, / a justiça e a paz se abraçarão. / Da terra brotará a fidelidade / e a justiça olhará dos altos céus.
3. O Senhor nos dará tudo o que é bom / e a nossa terra nos dará suas colheitas; / a justiça andará na sua frente / e a salvação há de seguir os passos seus.

SEGUNDA LEITURA (Ef 1,3-14) (mais longa)
Leitura da carta de Paulo aos Efésios.
3 Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Ele nos abençoou com toda a bênção do seu Espírito em virtude de nossa união com Cristo, no céu. 4 Em Cristo, ele nos escolheu, antes da fundação do mundo, para que sejamos santos e irrepreensíveis sob o seu olhar, no amor. 5 Ele nos predestinou para sermos seus filhos adotivos por intermédio de Jesus Cristo, conforme a decisão da sua vontade, 6 para o louvor da sua glória e da graça com que ele nos cumulou no seu bem-amado. 7 Pelo seu sangue, nós somos libertados. Nele, as nossas faltas são perdoadas, segundo a riqueza da sua graça, 8 que Deus derramou profusamente sobre nós, abrindo-nos a toda a sabedoria e prudência. 9 Ele nos fez conhecer o mistério da sua vontade, o desígnio benevolente que de antemão determinou em si mesmo, 10para levar à plenitude o tempo estabelecido e recapitular em Cristo, o universo inteiro: tudo o que está nos céus e tudo o que está sobre a terra. 11Nele também nós recebemos a nossa parte. Segundo o projeto daquele que conduz tudo conforme a decisão de sua vontade, nós fomos predestinados 12a sermos, para o louvor de sua glória, os que de antemão colocaram a sua esperança em Cristo. 13Nele também vós ouvistes a palavra da verdade, o evangelho que vos salva. Nele, ainda, acreditastes e fostes marcados com o selo do Espírito prometido, o Espírito Santo, 14que é o penhor da nossa herança para a redenção do povo que ele adquiriu, para o louvor da sua glória. – Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO
Aleluia, aleluia, aleluia!
Que o Pai do Senhor Jesus Cristo / nos dê do saber o Espírito; / conheçamos, assim a esperança / à qual nos chamou como herança.
EVANGELHO (Mc 6,7-13)
Naquele tempo, 7 Jesus chamou os doze, e começou a enviá-los dois a dois, dando-lhes poder sobre os espíritos impuros. 8 Recomendou- -lhes que não levassem nada para o caminho, a não ser um cajado; nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura. 9 Mandou que andassem de sandálias e que não levassem duas túnicas. 10E Jesus disse ainda: “Quando entrardes numa casa, ficai ali até vossa partida. 11Se em algum lugar não vos receberem, nem quiserem vos escutar, quando sairdes, sacudi a poeira dos pés, como testemunho contra eles!” 12Então os doze partiram e pregaram que todos se convertessem. 13Expulsavam muitos demônios e curavam numerosos doentes, ungindo-os com óleo. – Palavra da salvação.

22 DE JULHO DE 2018
16º DOMINGO DO TEMPO COMUM

PRIMEIRA LEITURA (Jr 23,1-6)
Leitura do Livro do Profeta Jeremias .
¹“Ai dos pastores que deixam perder-se e dispersar-se o rebanho de minha pastagem, diz o Senhor! ²Deste modo, isto diz o Senhor, Deus de Israel, aos pastores que apascentam o meu povo: Vós dispersastes o meu rebanho, e o afugentastes e não cuidastes dele; eis que irei verificar isso entre vós e castigar a malícia de vossas ações, diz o Senhor. ³E eu reunirei o resto de minhas ovelhas de todos os países para onde forem expulsas, e as farei voltar a seus campos, e elas se reproduzirão e multiplicarão. ⁴Suscitarei para elas novos pastores que as apascentem; não sofrerão mais o medo e a angústia, nenhuma delas se perderá, diz o Senhor. ⁵Eis que virão dias, diz o Senhor, em que farei nascer um descendente de Davi; reinará como rei e será sábio, fará valer a justiça e a retidão na terra. ⁶Naqueles dias, Judá será salvo e Israel viverá tranquilo; este é o nome com que o chamarão: Senhor, nossa Justiça”. – Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL - 22/23
O Senhor é o pastor que me conduz: / felicidade e todo bem hão de seguir-me!
1. O Senhor é o pastor que me conduz; / não me falta coisa alguma. / Pelos prados e campinas verdejantes / ele me leva a descansar. / Para as águas repousantes me encaminha, / e restaura as minhas forças.
2. Ele me guia no caminho mais seguro, / pela honra do teu nome. / Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, / nenhum mal eu temerei; / estais comigo com bastão e com o cajado, / eles me dão a segurança!
3. Preparais à minha frente uma mesa, bem à vista do inimigo, e com óleo vós ungis minha cabeça; o meu cálice transborda.
4.. Felicidade e todo bem hão de seguir-me / por toda a minha vida; / e, na casa do Senhor, habitarei / pelos tempos infinitos.

SEGUNDA LEITURA (Ef 2,13-17) (mais longa)
Leitura da carta de Paulo aos Efésios.
Irmãos: ¹³Agora, em Jesus Cristo, vós que outrora estáveis longe, vos tornastes próximos, pelo sangue de Cristo. ¹⁴Ele, de fato, é a nossa paz: do que era dividido, ele fez uma unidade. Em sua carne ele destruiu o muro de separação: a inimizade. ¹⁵Ele aboliu a lei com seus mandamentos e decretos. Ele quis, assim, a partir do judeu e do pagão, criar em si um só homem novo, estabelecendo a paz. ¹⁶Quis reconciliá-los com Deus, ambos em um só corpo, por meio da cruz; assim ele destruiu em si mesmo a inimizade. ¹⁷Ele veio anunciar a paz a vós que estáveis longe, e a paz aos que estavam próximos. É graças a ele que uns e outros, em um só Espírito, temos acesso junto ao Pai. - Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO
Aleluia, aleluia, aleluia! (bis)
Minhas ovelhas escutam minha voz, / minha voz estão elas a escutar. / Eu conheço, então, minhas ovelhas, / que me seguem comigo a caminhar!

EVANGELHO (Mc 6,30-34)
Naquele tempo, ³⁰os apóstolos reuniram-se com Jesus e contaram tudo o que haviam feito e ensinado. ³¹Ele lhes disse: “Vinde sozinhos para um lugar deserto, e descansai um pouco”. Havia, de fato, tanta gente chegando e saindo que não tinham tempo nem para comer. ³²Então foram sozinhos, de barco, para um lugar deserto e afastado. ³³Muitos os viram partir e reconheceram que eram eles. Saindo de todas as cidades, correram a pé, e chegaram lá antes deles. ³⁴Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas. – Palavra da salvação.

29 DE JULHO DE 2018
17º DOMINGO DO TEMPO COMUM

PRIMEIRA LEITURA (2Rs 4,42-44)
Leitura do Segundo Livro dos Reis.
Naqueles dias, ⁴²veio também um homem de Baal-Salisa, trazendo em seu alforje para Eliseu, o homem de Deus, pães dos primeiros frutos da terra: eram vinte pães de cevada e trigo novo. E Eliseu disse: “Dá ao povo para que coma”. ⁴³Mas o seu servo respondeu-lhe: “Como vou distribuir tão pouco para cem pessoas?” Eliseu disse outra vez: “Dá ao povo para que coma; pois assim diz o Senhor: Comerão e ainda sobrará”. ⁴⁴O homem distribuiu e ainda sobrou, conforme a Palavra do Senhor. – Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL - 144/145
Saciai os vossos filhos, ó Senhor!
1. Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem / e os vossos santos com louvores vos bendigam! / Narrem a glória e o esplendor do vosso reino / e saibam proclamar vosso poder!
2. Todos os olhos, ó Senhor, em vós esperam, / e vós lhes dais no tempo certo o alimento. / Vós abris a vossa mão prodigamente / e saciais todo ser vivo com fartura.
3. É justo o Senhor em seus caminhos, / é santo em toda obra que ele faz. / Ele está perto da pessoa que o invoca, / de todo aquele que o invoca lealmente.

SEGUNDA LEITURA (Ef 4,1-6)
Leitura da carta de Paulo aos Efésios.
Irmãos: ¹Eu, prisioneiro no Senhor, vos exorto a caminhardes de acordo com a vocação que recebestes: ²com toda a humildade e mansidão, suportai-vos uns aos outros com paciência, no amor. ³Aplicai- -vos a guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz. ⁴Há um só corpo e um só Espírito, como também é uma só a esperança à qual fostes chamados. ⁵Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, ⁶um só Deus e Pai de todos, que reina sobre todos, age por meio de todos e permanece em todos. - Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO
Aleluia, aleluia, aleluia! (bis)
Um grande profeta surgiu / surgiu e entre nós se mostrou / é Deus que seu povo visita, / seu povo, meu Deus visitou!

EVANGELHO (Jo 6,1-15)
Naquele tempo, ¹Jesus foi para o outro lado do mar da Galiléia, também chamado de Tiberíades. ²Uma grande multidão o seguia, porque via os sinais que ele operava a favor dos doentes. ³Jesus subiu ao monte e sentou-se aí, com os seus discípulos. ⁴Estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus. ⁵Levantando os olhos, e vendo que uma grande multidão estava vindo ao seu encontro, Jesus disse a Filipe: “Onde vamos comprar pão para que eles possam comer?” ⁶Disse isso para pô-lo à prova, pois ele mesmo sabia muito bem o que ia fazer. ⁷Filipe respondeu: “Nem duzentas moedas de prata bastariam para dar um pedaço de pão a cada um”. ⁸Um dos discípulos, André, o irmão de Simão Pedro, disse: ⁹“Está aqui um menino com cinco pães de cevada e dois peixes. Mas o que é isso para tanta gente?” ¹⁰Jesus disse: “Fazei sentar as pessoas”. Havia muita relva naquele lugar, e lá se sentaram, aproximadamente, cinco mil homens. ¹¹Jesus tomou os pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, tanto quanto queriam. E fez o mesmo com os peixes. ¹²Quando todos ficaram satisfeitos, Jesus disse aos discípulos: “Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca!” ¹³Recolheram os pedaços e encheram doze cestos com as sobras dos cinco pães, deixados pelos que haviam comido. ¹⁴Vendo o sinal que Jesus tinha realizado, aqueles homens exclamavam: “Este é verdadeiramente o Profeta, aquele que deve vir ao mundo”. ¹⁵Mas, quando notou que estavam querendo levá-lo para proclamá-lo rei, Jesus retirou-se de novo, sozinho, para o monte. – Palavra da salvação.


LITURGIA - MINISTROS EXTRAORDINÁRIOS DA EUCARISTIA

gifs/945705_588851267803662_1226076633_n.gif

OBJETIVO, FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO

Poderíamos chamá-los de transportadores de Cristo, pois levam a Eucaristia (corpo de Cristo) aos enfermos e incapacitados de se dirigirem até a Igreja.
Ajudam o sacerdote a distribuí-la nas celebrações litúrgicas.
Quando necessário, dirigem Celebrações da Palavra e atuam em exéquias, isto é, participação nos velórios e sepultamentos, com as orações adequadas ao momento.

Os Ministros são os seguintes:

Antonio Carlos dos Santos
Antônio Sávio de Oliveira
Aparecida Narezi Pimentel Rosa
Carlos Augusto de Carvalho
Cleusa Fátima Coelho Grandchamps
Crystiane do Valle Simões
Divani Pimentel de Araújo Mattos
Elaine Faria de Carvalho
Fátima Aparecida Sadoc Ronconi
Jaime Pinheiro Guimarães
João Bosco Pimentel Rosa
José Quintanilha Pimentel
Luciana Grandchamp Squarcina Nápoles
Luiz Fernando de Paula Rocha
Marcelo Grandchamps
Marcio Martins Ferraz Nápoles
Maria Dircinei Catunda Santos
Maria Estela Maia de Oliveira
Maria Eugenia Martins Mendes
Maria Ivone Mazzochi
Maria Tereza da Silva Bassanello
Maria Tereza Martins Guimarães
Oriete Penha Pimentel
Paulo César Ronconi
Paulo Valter de Mattos Júnior
Roseli Oliveira Aguiar
Sidney de Jesus Bartsch
Silmara Nogueira Batista Bartsch
Solange Antico Almeida Rocha
Terezinha da Silva Toledo

Coordenador: Marcelo Grandchamps

SÃO TARCÍSIO - Padroeiro dos MINISTROS DA COMUNHÃO

Tarcísio era um adolescente convertido ao Cristianismo, nascido por volta de 244 d.C.
Vivia em Roma e participava das atividades dos primeiros cristãos, desempenhando as funções de diácono e acólito nas missas celebradas nas catacumbas, para evitar as perseguições. Era alegre, inteligente e tinha muito amor ao Cristo.
Certo dia foi incumbido de levar as hóstias consagradas aos prisioneiros condenados à morte.Como os cristãos eram perseguidos, enquanto levava o Pão da Vida, os pagãos o pegaram e o obrigaram a desvendar o que trazia escondido no peito. Diante de sua recusa, foi ameaçado, recebendo pauladas e indo ao chão, todo ensangüentado. Para não deixar as partículas caírem nas mãos dos pagãos, Tarcísio começou as consumir as hóstias, quando um guarda o encontrou e levantou o menino, já morto. Felizmente o guarda também participava das celebrações nas catacumbas.
Com apenas 13 anos, Tarcísio nos deu esse exemplo de amor ao Cristo Vivo na Eucaristia. Era o dia 15 de agosto de 257 d.C. Por isso, esse dia é consagrado a São Tarcísio, o "martir da Eucaristia" - padroeiro dos Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística (MECE). Ele é padroeiro também dos operários perseguidos pela fé que professam.

ORAÇÃO DE SÃO TARCÍSIO

Glorioso São Tarcísio, mártir da Eucaristia, puro e humilde de coração, rogo pela pureza de minha pobre alma e de meu corpo. Por vossa angélica pureza, mártir de Cristo, rogo-vos que intercedas por mim diante do Cordeiro Imaculado: Jesus Cristo e ante a sua Mãe Santíssima, a Virgem das Virgens e que me preservais de todo o pecado mortal.
Glorioso São Tarcísio, não permitais que eu seja manchado com alguma mancha de impureza, mas quando me virdes em tentação ou perigo de pecar, afastai do meu coração todos os pensamentos e afetos imundos e, despertando, em mim a lembrança da eternidade e de Jesus Cristo Crucificado, imprimi profundamente em meu coração o santo sentimento do temor de Deus. Inflamai-me no amor divino para que, imitando-Vos aqui na terra, mereça gozar de Deus Convosco no Céu. Amém.
COMO ENTENDER CRISTO NA HÓSTIA CONSAGRADA
Em todo ser há um conjunto de coisas que podem mudar, como o tamanho, a cor, o peso, o sabor, etc., e um substrato permanente que, conservando-se sempre o mesmo, caracteriza o ser, que não muda. Esse substrato é chamado substância, essência ou natureza do ser. Em qualquer pedaço de pão há coisas mutáveis: a cor, tamanho, gosto, o sabor, a posição, sem que a substância que as sustenta mude; esta substância ninguém vê; mas é uma realidade. Assim, há homens de cores diferentes, feições diferentes, etc.; mas todos possuem uma mesma substância: uma alma humana imortal, que se nota pelas suas faculdades, as quais os animais não têm: inteligência, liberdade, vontade, consciência, psique, entre outros.

Quando as palavras da consagração são pronunciadas sobre o pão, a substância deste muda ou se converte totalmente em substância do Corpo humano de Jesus (donde o nome "transubstanciação"), ficando, porém, os acidentes externos (aparências) do pão (gosto, cor, cheiro, sabor, tamanho, etc.); sendo assim, sem mudar de aparência, o pão consagrado já não é pão, mas é substancialmente o Corpo de Cristo. O mesmo se dá com o vinho; ao serem pronunciadas sobre ele as palavras da consagração; sua substância se converte na do Sangue do Senhor, pelo poder da intervenção da Onipotência Divina.

Isso explica como o Corpo de Cristo pode estar simultaneamente presente em diversas hóstias consagradas e em vários lugares ao mesmo tempo. Jesus não está presente na Eucaristia segundo as suas aparências, como o tamanho ou a localização no espaço. Uma vez que os fragmentos de pão se multiplicam com a sua localização própria no espaço; assim onde quer que haja um pedaço de pão consagrado, pode estar de fato o Corpo Eucarístico de Cristo.

Uma comparação: quando você olha para um espelho, aí você vê a imagem do seu rosto inteiro; se quebrá-lo em duas ou mais partes, a sua imagem não se quebrará com o espelho, mas continuará uma imagem inteira em cada pedaço.

É preciso, então, entender que a presença de Cristo Eucarístico pode se multiplicar, sem que o Corpo do Senhor se multiplique. Isso faz com que a presença do Cristo Eucarístico possa multiplicar (sem que o Corpo dEle se multiplique) se forem multiplicados os fragmentos de pão consagrados nos mais diversos lugares da Terra. Não há bilocação nem multilocação do Corpo de Cristo.

O Corpo de Cristo, sob os acidentes do pão, não tem extensão nem quantidade próprias; assim não se pode dizer que a tal fragmento da hóstia corresponda tal parte do Corpo de Cristo. Quando o pão consagrado é partido, só se parte a quantidade do pão, não o Corpo de Jesus.

Assim muitas hóstias e muitos fragmentos de hóstia não constituem muitos Cristos – o que seria absurdo – , mas muitas "presenças" de um só e mesmo Cristo. Analogamente a multiplicação dos espelhos não multiplica o objeto original, mas multiplica a presença desse objeto; também a multiplicação dos ouvintes de uma sinfonia não multiplica essa sinfonia, mas apenas a presença desta.

Por essas razões, quando se deteriora o Pão Eucarístico por efeito do tempo, da digestão ou de um outro agente corruptor, o que se estraga são apenas os acidentes do pão: quantidade, cor, figura, entre outros, e nesse caso, o Corpo de Cristo deixa de estar presente sob os Véus Eucarísticos; isso porque Nosso Senhor Jesus Cristo quis que, nas espécies ou nas aparências de pão e vinho, garantir a Sua presença sacramental, e não nas de algum outro corpo.

A fé católica ensina uma conversão total e absoluta da substância do pão na do Corpo de Cristo; o Concílio de Trento rejeitou a doutrina de Lutero, que admitia a “empanação” de Cristo: empanação, segundo a qual permaneceriam a substância do pão e a do vinho junto com a do Corpo e a do Sangue de Cristo; o pão continuaria a ser realmente pão (e não apenas segundo as aparências), o vinho continuaria a ser realmente vinho (e não apenas segundo as aparências), de tal sorte que o Corpo de Cristo estaria como que “revestido” de pão e vinho. Para o Concílio de Trento e, para a fé católica, esse tipo de presença de Cristo na Eucaristia é insuficiente; é preciso dizer que o pão e o vinho, em sua realidade íntima (substância), deixam de ser pão e vinho para se tornarem a realidade mesma do Corpo e do Sangue de Cristo.

Assim como na criação acontece o surgimento de todo o ser, também na Eucaristia há a conversão de todo o ser. Essa “conversão de todo o ser” é “conversão de toda a substância” ou “transubstanciação”.

Assim como só Deus pode criar (tirar um ser do nada), só Deus pode “transubstanciar”; ambas as atividade supõem um poder infinito que só o Senhor tem.

Para entender um pouco melhor o milagre da Transubstanciação podemos dizer ainda o seguinte: No milagre da Multiplicação dos Pães, Jesus mudou apenas a espécie do pão (no caso a quantidade), mas não mudou a sua natureza, continuou sendo pão. Quando Ele fez o milagre das Bodas de Caná, mudou a natureza da água (passou a ser vinho) e mudou também a sua espécie (cor, sabor, etc); no milagre da Transubstanciação, o Senhor muda apenas a natureza do pão e do vinho (passam a ser seu Corpo e Sangue) sem mudar a espécie (cor, sabor,cheiro, tamanho, etc.).

Tudo por amor a nós; Ele, o Rei do universo, se faz pequeno, humilde, indefeso... nas espécies sagradas do pão e do vinho, para ser nosso alimento, companheiro, modelo, exemplo, força, consolação...


Felipe Aquino - Canção Nova
BEATO MATEUS MOREIRA: Patrono dos Ministros da Eucaristia no Brasil
A Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, da Santa Sé, aprovou a eleição do Bem-aventurado Mateus Moreira como Patrono dos Ministros extraordinários da Comunhão no Brasil.
Mateus Moreira é um dos 30 mártires do Rio Grande do Norte, beatificados pelo Papa João Paulo II em 5 de março de 2000.
Fazia parte do grupo de moradores do Rio Grande que foi sacrificado em Uruaçu, em 3 de outubro de 1645. A descrição de sua morte é considerada o ponto mais expressivo da trágica narrativa do martírio de Uruaçu. O belíssimo testemunho de fé na Eucaristia, confessada na hora da morte, foi lembrado pelo Papa João Paulo II na Homilia de Encerramento do XII Congresso Eucarístico Nacional, em Natal, RN, em 1991, e também na missa da beatificação. Os algozes arrancaram-lhe o coração pelas costas, e ele morreu exclamando: “Louvado seja o Santíssimo Sacramento”. Por esse motivo, a CNBB elegeu o Beato como patrono dos ministros extraordinários da comunhão no nosso país, e a indicação agora foi aprovada oficialmente pela Santa Sé.
Que o testemunho de fé de Mateus Moreira possa servir de encorajamento e exemplo para os milhares de ministros extraordinários da comunhão no Brasil. Que eles sejam zelosos na caridade e fiéis anunciadores da presença transformadora do Senhor na Eucaristia.

JOSEILZON LIMA


LITURGIA - MISSA CRIANÇA

gifs/1013267_661163357239119_960380742_n.gif


DOMINGO - 10h30

5 equipes atuam nas missas coordenadas pelo Clodoaldo, Eliane, Júnior, Rúbia e XIKO.
Cada uma tem apresentação diferente no momento da explicação do Evangelho.
Aproximadamente 200 crianças participam da missa


SAÚDE

fotos/pastoraldasaude.jpg


OBJETIVO, FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO

O que é Pastoral da Saúde

É estar com as pessoas na sua luta, ajudando-as a ser, em seguida, retirar-se, de maneira que elas possam crescer e viver com saúde.
É ir ao encontro das pessoas onde elas estão e encontrá-las no nível de suas necessidades.

Porque Pastoral da Saúde e não Assistência aos Enfermos

A Pastoral propõe–se a fazer um trabalho de Igreja, de participação, de envolvimento, para que o Reino de Deus esteja presente no campo da saúde de maneira palpitante e consciente.
A Pastoral procura ter uma visão global de tudo e de todos que envolvem o doente, procurando conhecer e trabalhar nas causas que ferem a saúde.

Na Paróquia

Iniciou-se em 2003 com a chegada do Pe. Arcemírio que sentindo a necessidade desta pastoral, fez o convite nas missas.
Após este convite foi marcada a primeira reunião no dia 15 de março de 2003 com a presença de 15 pessoas interessadas em trabalhar. Foi realizado 6 encontros de formação para preparar estas pessoas, com a colaboração da Rosilane e Eliana (Agentes da Pastoral da Saúde da Paróquia do Menino Jesus), que falaram sobre o que é Pastoral da Saúde, sua linha de Ação Pastoral e roteiro para visitar os que sofrem. A Psicóloga Vilma falou sobre a Psicologia do enfermo e o perfil do Agente de Saúde. Também, tivemos a presença do Padre Arcemírio falando sobre a Unção dos enfermos.

Quem somos

Somos 11 Agentes: Maria Estela Maia de Oliveira(Coordenadora), Marilda Aparecida Bernardo, Vicentina Dolher de Moraes, Edi Santos Cardoso, Terezinha Tobias, Lucia Maria Monteiro de Souza, Manoela Lino dos Santos, Maria Isabel de Paula, Marian Bandeira, Neli de Paula Borges e Ilza Victalina.

O que fazemos

Atendemos mais ou menos 35 doentes residentes na Paróquia. É um atendimento domiciliar, onde os agentes visitam os doentes, conversam, levam a palavra de Deus, oram juntos e auxiliam nas necessidades.
Se reúnem mensalmente – toda 1ª quarta-feira às 19h30. Nesta reunião é feita uma oração, partilham como foram as visitas feitas no mês e depois a Coordenadora coloca a programação do mês.
Durante o ano é celebrada duas missas com os enfermos, onde o Padre ungi todos os doentes. Esta missa é celebrada em julho em comemoração ao dia de São Camilo de Lellis (patrono dos doentes), e outra no final do ano - confraternização entre os doentes e agentes.
Uma vez por mês é escolhida a casa de um doente, onde o grupo reza o terço da Misericórdia com o doente e sua família . Geralmente é feito no último sábado do mês.

A responsável pela Pastoral é Maria Estela Maia de Oliveira


SOCIAL

gifs/alb162img150.gif


OBJETIVO, FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO

O objetivo é a melhoria da qualidade de vida das famílias carentes,conscientizando-as do dever de buscar o próprio sustento. Entre os vários serviços prestados destacamos:
- pagamento de conta de luz e água,
- compra de remédios e fraldas geriátricas e
- distribuição mensal de cestas básicas.
Um sábado por mês, às 9h, dia da distribuição de cestas básicas,as mães participam de trabalhos artesanais e suas crianças participam da Escolinha da Palavra coordenada pelas equipes da Missa Criança.

Coordenadora: Ana Paula Lima G. Damasceno.

Telefone para contato: 36336740.


DOAÇÕES

# Distribuição mensal de cestas básicas doadas pela Volkswagen e pelos paroquianos através da Campanha do Quilo nas missas da Paróquia.
# Distribuição de sacolinhas com roupas, brinquedos e doces no Natal.

SERVIÇOS JÁ PRESTADOS
# Construção de uma casa com 3 cômodos na Estrada do Barreiro para uma família de 6 pessoas que viviam num cômodo de 3,5m2 sem portas, janelas, banheiro e sem água. Casa construída com o auxílio de voluntários, aos sábados.
# Construção de muro e colocação de portão em uma casa no Bairro São Gonçalo.
# Construção de um banheiro em casa de uma família assistida e moradora na Paróquia.
# Pagamentos de guia do INSS para Processo de Aposentadoria
# Pagamento de Plano de Saúde, para continuação de tratamento médico para uma pessoa, hoje falecida.
# Compra e distribuição de remédios, fraldas geriátricas para famílias sem recursos para a aquisição.

RECURSOS FINANCEIROS E MATERIAIS

# 5% da arrecadação do Dizimo Paroquial.
# Rendas diversas como Feira do Doce, Bazar da Pechincha e outros.
# Doações espontâneas em dinheiro e cestas básicas.
# Campanha do quilo nas missas dominicais.
# Doações de roupas, sapatos, cobertores, etc que são distribuídos para as famílias assistidas ou vendidas no Bazar da Pechincha.

METAS

# Continuação das construções e reformas
# Recadastramento das famílias assistidas, evitando assim a duplicidade de recebimento de cestas básicas.
# Criação de balcão de empregos.
# Parcerias com as Pastorais da Saúde, da Criança e da Família para melhor atender as pessoas carentes.
# Cadastro de profissionais em nossa Paróquia, convidando-os para auxiliar nas necessidades e dificuldades da Pastoral.




Rua Polônia, 130 - Jardim das Nações - Taubaté - SP - Fone: (12) 3681-1456